iso compliance – SOGI
×

Empresas que buscam por práticas em Compliance

Quando uma empresa se responsabiliza por implementar um sistema de gestão, ela busca ampliar a visão de todo o negócio, incluindo os seus riscos. Portanto, de nada adianta implementar um sistema de gestão, se não houver o envolvimento de todos da organização para que as exigências e o comprometimento com os seus requisitos legais aplicáveis sejam realmente colocados em prática.

Ressalta-se que, um sistema de gestão eficaz circunda várias ferramentas que permitem realizar a avaliação do risco de uma maneira mais clara, possibilitando que a empresa visualize, além da questão ambiental, a questão de qualidade e de saúde e segurança, por exemplo. Dessa forma, o sistema de gestão acaba permitindo que sejam criados padrões de excelência, sem dar oportunidades para margens de erros.

Além disso, é importante que a organização viabilize também um planejamento baseado em estratégias segmentadas nas melhores práticas internacionais, testadas e aprovadas para assim, evitar erros, independentemente do tipo de negócio.

Estar em Compliance ou Ser Compliance?

A explanação acima demonstra que “estar em compliance” não é a mesma coisa que “ser compliance”.  Estar em compliance é algo momentâneo, basta atender as leis. Uma empresa que tem em seu DNA o “ser compliance”, tem em todos os seus procedimentos e na sua própria cultura organizacional a busca pelo “estar em compliance”. Em outras palavras, significa que tudo que é estabelecido dentro da organização é voltado para atender a todos os requisitos legais aplicáveis. Uma empresa que busca isso e faz com que o compliance seja parte do seu DNA, tem por consequência diminuição considerável em sua exposição ao risco.

Esse posicionamento da organização contribui para um ganho maior no quesito segurança jurídica, possibilitando a realização de atividades empresarias mais seguras, a que ela está sujeita.

Estar em Compliance custa caro?

Há um mito no mercado de que investir numa gestão com foco em compliance é caro. Esse mito foi criado por empresas que não enxergam valor agregado na melhoria contínua de seus processos, desejando investir para ganhar em curto prazo. No entanto, investir em um Programa de Compliance para melhorar a Gestão Organizacional, não aumentará os custos, ao contrário, serão propostas as melhorias para que a empresa possa operar com mais segurança, sem correr riscos altissimos que, consequemente, podem levar a falência. Nesses últimos anos, tivemos em Minas Gerais e no Brasil, vários exemplos.

Sendo assim, vale ressaltar que o risco de uma empresa, quando não investe um programa de compliance realmente eficaz, a empresa está propensa a ser autuada. Além disso, as chances de perder mercado, ter sua marca exposta negativamente, pode fazer um estrago muito maior que dinheiro algum será capaz de consertar. Será um trabalho penoso e longo para reconstruir o seu negócio.

Em vista disso, o investimento em um Programa de Compliance que busca melhorias nos processos de toda a organização propõe maior segurança para o crescimento saudável do seu negócio. Por consequência, o investimento em Programas de compliance vai além de se estar de acordo com toda a legislação aplicável.

Neste sentido, podemos afirmar que quando uma empresa busca por um sistema de gestão integrado atrelado a um Programa de Compliance eficiente, certamente essa empresa vai gerar uma economia enorme em todas as etapas de seus processos.

Sugestão de leitura: Compliance na Gestão de Fornecedores

Por que toda a organização deve estar envolvida?

Nos últimos anos, o Brasil presenciou diversos acidentes ocorridos e que reforçam ainda mais o comprometimento das pessoas dentro das organizações, pois são pessoas que fazem a empresa, que constroem a marca.

Por isso, faz-se necessário, mais do que nunca, o comprometimento de todas as partes para que haja o máximo de controle dos riscos da operação, bem como os custos que a operação irá gerar.

Sem nenhuma dúvida é mais fácil prevenir do que remediar. O custo da prevenção é muito menor do que da reparação do dano. E não estamos falando apenas da questão financeira, pois a reparação do dano engloba toda uma esfera cível.

Um exemplo, é o caso do rompimento das barragens em Minas. Independente se a mineradora teve culpa ou não, ela é obrigada a reparar o dano que ela causou. Infelizmente, muitos desses danos são irreversíveis. Ainda mesmo, que esse rompimento tivesse ocorrido por um abalo sísmico, a responsabilidade pela reparação dos danos, ainda seria da mineradora. Por isso, o custo da prevenção acaba sendo sempre menor.

Investir em Compliance é fazer o certo. É assumir as responsabilidades da operação

Importante ressaltar que a economia gerada deve ser vislumbrada a médio e longo prazo. Claro que existe um investimento inicial e real. Os investimentos para estar em compliance atualmente no Brasil são altos, porque as empresas investem energia na gestão, somente após o ocorrido. Certamente, sairá mais caro!

Exemplificando, imagine que você ganhou um carro zero K, mas nunca fez uma manutenção e nunca consertou aquela batinha. Enquanto isso, seu vizinho, fez todas as manutenções necessárias e sempre consertava aquelas batinhas nas pilatras do estacionamento. Ambos, resolvem vender o carro, mas para vender por um bom preço, precisam deixar o carro em um bom estado de funcionamento. O preço que o mecânico irá cobrar para um e outro será bem diferente. E o preço de venda, também. Esse exemplo é apenas para demonstrar que deixar para “consertar” algo de útlima hora, não é fazer econômia. O investimento é muito maior, fazendo com que empresas desistam de investir em Programas de gestão com foco em Compliance!

Até porque, reparar o dano é muito mais caro do que agir preventivamente. Embora, agir preventivamente a curto prazo, possa ser um investimento grande para a organização. E, em alguns outros casos, há empresas que não conseguem enxergar o equilíbrio entre o primeiro investimento versus o investimento para a reparação do dano. Há ainda casos em que acontece o inverso: a empresa tem que reparar um dano, arcando com um gasto fenomenal, e após o ocorrido, ela procura atitudes preventivas para evitar que o dano volte a acontecer.

Por isso, o DNA da empresa que busca “ser compliance” demanda um investimento inicial alto, mas gera economia muito grande a médio e longo prazo.

LIA: inteligência Artifical para uma gestão com foco em Compliance

Com essa nova ferramenta, LIA – Legislação por inteligência Artificial – desenvolvida pela Verde Ghaia, busca-se correlacionar o máximo possível das obrigações com as multas que estão atreladas ao não cumprimento delas, possibilitando que as organizações tenham visão dos custos de investimento e custos por danos causados.

Quando se contrapõe os valores das multas, comparando-os com os valores gastos de investimento, fica visível de imediato, a economia gerada pela organização ao optar pela prevenção.

Portanto, sabendo da importância de existir uma integração entre certificação ISO e compliance e todos os benefícios e vantagens que ela traz para uma organização, vem a pergunta: como é possível fazer com que a certificação ISO trabalhe junto com o compliance?

Apresentação da LIA – Legislação de Inteligência Artificial

Compliance e Certificação ISO: união para uma gestão eficaz

A área de certificação de sistema de gestão é focada em alguns temas. Assim, é essencial que exista uma integração entre as áreas, como o de meio ambiente, qualidade e segurança, por exemplo, com o jurídico interno das organizações, ou com o jurídico externo – caso seja um escritório de advocacia, a fim de que se tenha um alinhamento e um diálogo para que os procedimentos sejam voltados para o compliance de toda a empresa.

Se você tem uma forte integração entre essas diferentes áreas, é possível implementar procedimentos para atendimento a requisitos legais de forma mais robusta, minimizando e otimizando o trabalho de cada área. Infelizmente hoje ainda não vemos acontecer muito essa integração, mas estamos caminhando para esse processo.

Já é possível verificar grandes organizações que iniciam os processos de monitoramento de leis específicas e se conectam com o jurídico interno e a área de compliance da organização. E, é esse movimento que faz com que a empresa esteja em compliance – e seja compliance –, e assim ela se torna capaz de atender de forma abrangente todos os temas aplicáveis à organização.

Como identificar todos os requisitos da sua organização?

Temos que pensar que, quando temos identificados todos os requisitos em uma planilha, é mais fácil direcionar as responsabilidades. Por exemplo: quando estamos verificando um requisito, qual área é responsável por ele? Quando se tem os requisitos todos classificados, fica mais fácil de entender como a empresa trabalha, quais processos são realizados e quem são seus responsáveis. Sabendo quem são seus responsáveis, fica mais fácil verificar se estão sendo cumpridos ou não e o porquê não estaria sendo cumprido.

E é isso que a Verde Ghaia faz!

Através do SOGI ela direciona para cada área quais são as atribuições e os responsáveis por cada processo, para que nada possa escapar de seu sistema de gestão. Assim você pode garantir a certificação ISO ou tornar muito mais fácil a possibilidade de estar em compliance. E com a LIA a Verde Ghaia permite que os gestores das diferentes áreas de uma organização possam enxergar mais valor ainda no trabalho que é realizado diariamente.

Então, vamos fazer o que é o certo? Converse com a nossa equipe de Gestão de Riscos e Compliance. Certifique-se de que o seu negócio tem muito a prosperar com base em dados e informações seguras e reais de todos os seus processos operacionais.

Agende uma conversa com a nossa Equipe!


ISO 37001: É possível combater o suborno nas empresas?

Faz-se pouco tempo que o Brasil passou a focar seus esforços no combate a corrupção e suborno, de forma mais efetiva e energética.

Desde os escândalos de corrupção no Brasil, que alastrou o mundo, as organizações privadas têm discutido meios de se combater o suborno nas empresas, buscando por metodologias ou formas de conscientização de todos envolvidos em seus processos.

Essa é ainda, infelizmente, uma questão latente, e que gera um enorme debate! Mesmo diante de evidentes esforços, por parte de muitas organizações e até mesmo órgãos internacionais, como o caso da ISO 37001, busca-se ainda, uma forma de se estabelecer o combate a corrupção das organizações privadas e governamentais.

Apesar de haver muitas organizações que já implementaram a ISO 37001, o combate à corrupção tem sido uma discussão complexa e difícil de lidar, uma vez que os esforços devem partir da Alta Direção e envolver todos àqueles que fizerem parte dos processos da organização, o qual inclui seus fornecedores e partes interessadas.

O que é preciso saber sobre Gestão Antissuborno?

A ISO 37001 é basicamente uma norma que visa a implantação de Sistemas de Gestão Antissuborno. Embora, ela tenha um grande potencial para tal questão, ela ainda é uma norma pouco divulgada pelos meios de comunicação e são poucos os profissionais que possuem entendimento de sua atuação na gestão corporativa.

A implementação da ISO 37001 é o caminho para saber como combater o suborno das empresas? Como já citado anteriormente, a melhor maneira de se combater o suborno das empresas, é implementar um sistema que seja realmente focado nesse ponto! E isso, acaba sendo algo possível, quando se conhece mais profundamente a eficiência da norma e o foco atribuído ao sistema de gestão. Assim, a norma poderá ajudar no processo de implementação de práticas antissuborno no ambiente das organizações.

Relação da ISO 37001 e o Compliance

Nesse caso, a ISO 37001 possui uma ligação direta ao Compliance – algo que tem sido amplamente debatido nos últimos anos! Isso porque, compliance é agir em sintonia com as regras, normas, diretrizes, legislação, seja ela interna ou externa. É assumir uma postura íntegra e transparente.

A medida que você se aprofundar sobre a norma, passará a compreender pontos bastante pertinentes e importantes em seus processos, e que ajudará na tomada de decisão, caso ocorra alguma situação de suborno ou corrupção em sua organização!

Confira alguns pontos importantes quando uma organização implementa a Norma ISO 37001 em seus processos:

  • Quando a Norma está devidamente implementada, a organização terá a oportunidade de construir uma política mais clara e objetiva, ajudando a lidar com algumas situações.
  • Através de uma política clara e objetiva, pode-se ainda instituir padrões aceitos e não aceitos em relação à valor de itens, que poderão ser recebidos dos clientes. Sem que isso, seja considerado uma forma de suborno!
  • Em algumas situações, o “suborno” não é pensado como um ato de má fé. Por isso, as organizações devem ter sua política muito bem estabelecida entre seus colaboradores e partes interessadas. As empresas devem ficar atentas ao suborno direto e indireto, deixando claro sua postura perante as situações de ambos os casos.
  • Além disso, a implementação da ISO 37001, também são amplamente compatíveis com as da ISO 9001:2015.

Quais benefícios a ISO 37001 pode trazer para o meu negócio?

Em suma, a ISO 37001 é uma das maneiras mais assertivas de se entender de fato, como combater o suborno das empresas, uma vez que ela agrega um conjunto de regras, internacionalmente aceitas. Essas regras têm como objetivo principal ajudar os programas de compliance das empresas, visando a certificação do seu sistema de gestão antissuborno!

Tal certificação poderá ser realmente fundamental para estabelecer um evidente apoio às corporações quanto ao combate do suborno, criando dessa maneira uma cultura de integridade bem como transparência e ainda obediência às leis e também regulamentações!

Um dos principais benefícios que pode ser agregada, por essa certificação, é que ela pode ajudar a demonstrar que foi de fato implementado um Programa de Integridade – isso segue as normativas da lei de número 12.846/13 (lei anticorrupção ou lei da empresa limpa).

Diante disso, a empresa poderá ter a oportunidade de conseguir de maneira absolutamente eficiente ampliar a sua confiança, elevando potencialmente a sua reputação e ainda agregando uma imagem mais positiva e integra o mercado. Seu uso ainda poder ser de grande valor para ajudar no processo administrativo e ainda no gerenciamento de riscos associados ao negócio, incluindo até mesmo relações que sejam estabelecidas com terceiros.

Para quem a ISO 37001 é indicada?

Workshop sobre implementação de um Programa de Compliance! oferecido pela Verde Ghaia e Roberta Volpato.
Workshop sobre implementação de um Programa de Compliance!

A ISO 37001, que permite compreender melhor como combater o suborno das empresas pode ser de fato solicitada por todas as empresas tanto do setor privado e público, bem como com fins lucrativos ou não e ainda de qualquer tamanho ou natureza!

Para tanto, é necessário ficar atento apenas às diretrizes associadas à norma, sendo que elas deverão ser impreterivelmente cumpridas pela organização, como:

  • Entender as necessidades e também expectativas dos clientes, fornecedores, acionistas, órgãos regulamentadores e até mesmo a sociedade.
  • Manter comprometimento da direção da empresa.
  • Focar na estruturação de ações direcionadas nos riscos de suborno e também objetivos para o antissuborno!
  • Manter o sistema de gestão antissuborno de maneira contínua e eficiente.
  • Fazer monitoramentos e auditorias internas frequentes.
  • Adotar procedimentos para prevenir a oferta e demais premissas que sejam caracterizadas como suborno.
  • Identificar e adotar melhorias pertinentes para o sistema de gestão antissuborno!

Como implementar a Norma ISO 37001 no meu negócio?

Workshop 10 passo para implementar um Programa de Compliance com sucesso.
Acesse nossas redes sociais e fique por dentro das novidades!

O processo de certificação depende do cumprimento de uma série de requisitos devidamente previstos na norma, e para isso, a empresa precisa contar com o envolvimento, contribuição e ainda estabelecer o comprometimento de todos os membros de sua direção e também gerencia!

A adoção do programa ainda deverá ser comunicado de forma clara e objetiva a todos os colaboradores e as partes interessadas, como no caso de fornecedores e até mesmo parceiros da empresa de uma maneira geral!

Agora que você já tem uma noção sobre como combater o suborno das empresas, vale a pena buscar apoio de empresas e profissionais especializados no assunto para lhe ajudar nesse processo!

Construção de Valor: como o Módulo ANTISSUBORNO contribui nesse processo?

A VERDE GHAIA, sempre atenta as necessidades de mercado, inovou mais uma vez e agregou ao seu Software soGi as normas (leis e decretos) vigente no Brasil, relacionadas ao tema antissuborno e anticorrupção.

Essas são duas normas que visam coibir práticas de atos contra a administração pública, nacional ou estrangeira e que podem ser verificadas pelos clientes da VERDE GHAIA na Lista Interna de Requisitos Aplicáveis – LIRA Antissuborno.

O objetivo macro da nova LIRA é dar suporte para que as organizações promovam, internamente e no mundo corporativo, um ambiente mais íntegro, ético e transparente. A VERDE GHAIA se capacitou para oferecer soluções aos clientes nas mais diversas frentes, por exemplo:

  • Disponibilização da LIRA Antissuborno;
  • Disponibilização da LIRA Antissuborno e do módulo de Riscos do Negócio para que as organizações possam mapear não só a legislação aplicável, mas também os riscos inerentes;
  • Assessoramento completo a fim de que o cliente, além de ter acesso a LIRA Antissuborno e ao módulo de Riscos do Negócio, ainda conheça demais normas e obrigações aplicáveis ao seu negócio para que a empresa ateste seu Compliance (ISO 19600 – Sistema de gestão de compliance) e esteja apta a certificação proposta na ISO 37001 (Sistema de gestão antissuborno).

1. Problemas que podem ser evitados

Seja qual for a solução desejada pelo cliente, importante que os produtos e serviços acima descritos podem dar suporte para que as empresas evitem prejuízos (i) financeiros, (ii) estratégicos e de negócio, (iii) a imagem da empresa, entre outros.

PREJUÍZOS FINANCEIROS

O suborno, e consequente corrupção, é um ato ilícito grave que traz enormes prejuízos às empresas em geral. Lamentavelmente, as estatísticas apontam as práticas de suborno e corrupção ocorrem em larga escala e podem ser comparadas a um câncer.

Segundo o Jornal Estado de Minas, 96% dos executivos brasileiros consideram essas práticas corriqueiras no ambiente de negócios. O oferecimento de vantagens a um fornecedor, por exemplo, pode  resultar a prejuízos indiretos, tais como qualidade dos produtos; condições de garantia; preços superfaturados; condenações nas esferas penal (penas restritivas de direito – perder o direito de participar de licitações – e/ou de liberdade – prisão de pessoas físicas), civil (reparação pecuniária dos danos) e administrativa (pagamento de multas e publicação extraordinária da decisão condenatória.

PREJUÍZOS ESTRATÉGICOS E DE NOGÓCIOS

Além disso, não raro, os colaboradores infratores têm posse de informações sigilosas, das quais se valem para obter a vantagem competitiva e, consequentemente, prejudicar os interesses e estratégias das empresas.

PREJUÍZO NA IMAGEM DA EMPRESA

A quebra da reputação raramente é recuperada, sobretudo quando se tratando de suborno. Recuperar a imagem da empresa através de campanhas publicitárias é muito mais caro e trabalhoso do que evitar o problema.

A postura que foge da ética ainda marca a empresa, criando uma ferida que pode fazê-la sangrar sem que se perceba, e quando uma situação de definição se apresentar, a empresa pode não resistir à reputação que se criou em cima dela.  ma empresa irresponsável se faz pouco confiável, indigna de novos clientes e por vezes abandonada por clientes antigos.

2- Vantagens Diretas da Gestão Antissuborno

Qual o propósito de fazer gestão em Compliance para a empresa? Essa foi uma das perguntas que aguçou a VERDE GHAIA, uma empresa com 20 anos de “Know How” em consultoria técnica jurídica e líder no oferecimento de soluções sustentáveis, a necessidade de monitoramento das normas relacionadas ao tema antissuborno.

As vantagens de se conhecer as normas vigentes que visam coibir as práticas de suborno, seja para que uma organização cumpra as regras, seja para que uma organização implemente um sistema de gestão antissuborno e/ou de compliance, são inúmeras. Uma política antissuborno é um componente fundamental de uma política global de compliance.

Conhecer as normas e os riscos advindos destas é uma forma de a empresa se orientar no que se refere as práticas que são permitidas e que são proibidas nas organizações.

Com a assessoria nos sistemas de Gestão Antissuborno e Compliance a VERDE GHAIA apoia as organizações a evitarem ou mitigarem os custos, riscos e danos por desvios, além de promover a confiança nos negócios e melhorar a reputação da organização.

Adote já uma ferramenta que possibilita sua empresa de demonstrar a ética, não só nos negócios, mas na cultura, que visa:

  • Gestão e vigilância constante.
  • Sistema integrado à equipe jurídica Verde Ghaia.
  • Canal direto com Suporte jurídico técnico de alta qualidade dedicado a organização.
  • Baixo custo benefício de médio e longo prazo.
  • Controle de riscos causados por eventos potenciais e suas consequências. O Sistema previne a recorrência.
  • Capacidade de conter crises de imagem e crises financeiras decorrentes de práticas ilícitas isoladas.
  • Resultados mensuráveis, através de auditorias cuidadosas.
  • Certificação das práticas antissuborno, com evidenciação dos resultados alcançados.
  • Assunto de grande interesse público que pode ser revertido em publicidade e imagem de transparência da organização.
  • Disseminação de valores éticos fundamentais e normatização de conduta dentro da organização Inovação na prática da gestão antissuborno.
  • É aplicável às pequenas, médias e grandes organizações em todos os setores, incluindo os setores público, privado e sem fins lucrativos.
  • Auxilia o departamento jurídico da organização a validar informações de controle.

Diferença entre Suborno e Corrupção

SUBORNO

É um ato ilícito que consiste na ação de induzir alguém a praticar determinado ato em troca de dinheiro, bens materiais ou outros benefícios particulares. No âmbito do Direito, o suborno está tipificado como crime de corrupção no Código Penal Brasileiro.

É considerado suborno qualquer oferecimento, pagamento ou promessa a uma autoridade pública, governante, funcionário público e demais profissionais em troca de favores feitos por estes que favoreça de modo particular o corruptor. Do ponto de vista social, o suborno é uma prática nociva que contribui para a desestabilização de uma sociedade, seja no âmbito econômico, educativo, cultural, entre outros.

CORRUPÇÃO

É o efeito ou ato de corromper alguém ou algo, com a finalidade de obter vantagens em relação aos outros por meios considerados ilegais ou ilícitos. Etimologicamente, o termo “corrupção” surgiu a partir do latim “corruptus”, que significa o “ato de quebrar aos pedaços”, ou seja, decompor e deteriorar algo.

A ação de corromper pode ser entendida também como o resultado de subornar, dando dinheiro ou presentes para alguém em troca de benefícios especiais de interesse próprio. A corrupção é um meio ilegal de se conseguir algo, sendo considerado grave crime em alguns países. A corrupção ainda pode significar o desvirtuamento e a devassidão de hábitos e costumes, tornando-os imorais ou antiéticos.


Informação adaptada de: QSM. Diferença entre suborno e corrupção. Disponível em: <http://antissuborno.com.br/qual-a-diferenca-de-suborno-e-corrupcao-2/>. Acesso em dezembro de 2018.


SOGI GRC: Governança, Risco e Compliance

Quando se fala em Governança, Risco e Compliance, denominado GRC, é preciso ter em mente os conceitos base de cada processo para que a compreensão do “sistema” seja abrangente.

Sendo assim, primeiramente, tem-se que Governança é o nome dado para o conjunto de procedimentos, diretrizes e atribuições de responsabilidades que guiam os indivíduos para um objetivo comum. Neste sentido, aplicado ao mundo dos negócios, podemos conceituar como sendo o conjunto de processos, política e regulamentos que regulam a maneira como uma empresa é administrada e, por conseguinte, as decisões são tomadas.

Já os Riscos podem ser entendidos como os episódios a que uma organização está sujeita, independentemente do quão planejada e organizada ela seja, podendo se tornam obstáculos para que os objetivos da organização sejam alcançados.

Por último, mas não menos importante, temos que Compliance pode ser entendido como um conjunto de normas que no âmbito coorporativo orienta o empreendedor a estar em conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis ao seu negócio.

Risco e Compliance “ferramenta” para sua Gestão

Risco e Compliance é uma “ferramenta” importante para todas as organizações

Deste modo, apesar de Governança, Risco e Compliance serem conceitos individuais, inclusive, exaustivamente conhecidos no meio empresarial, atualmente, eles são combinados com a finalidade de alcançar resultados mais eficazes.

Essa combinação tem por consequência transações transparentes, com avaliação de risco eficiente e conformidade com leis, bem como regulamentações, garantida.

Mas quais são os benefícios do GRC para o seu empreendimento? Abaixo listamos alguns deles:

Aumento da credibilidade

O trânsito de informações entre setores da empresa, quando gerido de forma correta, propaga transparência, que gera mais credibilidade e segurança tanto para envolvidos diretamente nos processos daquela organização, quanto para terceiros interessados;

Diminuição de gastos

A comunicação entre as áreas de uma empresa resulta em um fluxo unificado de informações, o que pode reduzir os custos extras com auditorias internas, por exemplo;

Solidificação do negócio

A tendência de uma organização que se está sempre preparada para os possíveis riscos que podem incorrer sobre ela torna-a mais estável e segura perante momentos de desequilíbrio. Resultando, também em tomadas de decisões mais confiantes;

Contenção de fraudes

Obviamente fraudes sempre foram malvistas sob o ponto de vista ético. Todavia, atualmente, com o avanço da tecnologia e a velocidade com a qual as notícias circulam, uma empresa fraudulenta pode ser mais facilmente excluída do mercado ou ficar permanentemente marcada. Com o GRC, cria-se uma cultura de transparência que dificulta o surgimento de atividades fraudulentas.

Considerações Finais

Os fatores citados são meramente exemplificativos, não sendo possível limitar os benefícios do GRC apenas a estes. Saiba mais sobre o Módulo GRC, lendo o e-book!

A conclusão que se pode chegar é de que, principalmente, em um momento mundial no qual a preocupação com corrupção e, de outro lado, conformidade com a legislação, estão em ascensão, é de sumaríssima importância que o GRC seja, ao menos, discutido.


Para mais informações, entre em contato com a Verde Ghaia!



E-book – Módulo GRC

Possuímos excelência em prestação de serviços nesse setor, além de estarmos disponíveis para esclarecer quaisquer questionamentos acerca da temática.