como gerenciar os riscos – SOGI
×

Avaliação de Riscos na indústria química

Por que fazer avaliação de riscos na indústria química? Adotar estratégias de segurança para evitar e conter acidentes químicos é fundamental para empresas de pequeno, grande e médio porte.

O ambiente de trabalho deve ser seguro e confortável. Pensando nisso, é importante fazer avaliação de riscos na indústria química, e estar a par de todas as possibilidades e estratégias de segurança que podem – e devem! – ser adotadas!

A indústria química é uma das mais importantes para a evolução da humanidade. Se chegamos onde chegamos é por conta das muitas descobertas e estudos realizados justamente nesse setor, que atua diretamente em outras frentes, como indústria farmacêutica e médica, tecnologia, combustíveis e automóveis e etc.

Porém, com todos os avanços vieram também as negligências. Os riscos dentro de um ambiente que armazena e manuseia elementos químicos são diversos! É essencial manter essas tarefas sobre um controle assíduo.

Os processos cada vez mais complexos adotados pelas grandes indústrias traz consigo riscos também mais elevados para todos os trabalhadores, o meio ambiente, e a população em geral.

É justamente aqui que podemos citar a importância gigantesca da simbologia de produtos químicos e seus perigos, bem como a implantação de uma metodologia de avaliação de riscos que vise priorizar as ações preventivas.

Avaliação de riscos na indústria química: meio ambiente em pauta!

O grande volume de fabricação de produtos químicos, somado a exploração de matérias primas naturais podem representar um imenso risco ao meio ambiente. Com a devida aplicação das normas de prevenção e contenção é possível fabricar sem causar mal ao nosso maior bem: o planeta.

Para diminuir os riscos iminentes, foi criada a ISO 14001:2015, que deve ser adotada por empresas que pretendem aprimorar as estratégias voltadas para gestão ambiental.

Ela incorpora não somente uma ideia ecologicamente correta a ser adotada, mas também – e principalmente – foca em estratégias para um desenvolvimento empresarial que seja mais sustentável.

ISO 45001:2018

Em paralelo aos cuidados ambientais, os riscos da indústria química também precisam ser revistos analisando de perto as normas que se enquadram à ISO 45001:2018, a respeito da segurança no trabalho.

Nesse caso, podemos facilmente citar a comunicação visual como algo primordial. A simbologia de produtos químicos e seus perigos é uma das ferramentas universais para manter todos os cidadãos – inclusive os analfabetos! – a respeito dos perigos e cuidados.

ISO 9001:2015

Outra certificação importantíssima, e que pode ser útil para quem quer saber mais sobre a avaliação de riscos na indústria química é o ISO 9001:2015, certificação internacional que atesta a qualidade de empresas de acordo com suas tarefas.

Essa é uma norma importantíssima, que se refere a gestão de qualidade! Para empresas que atuam com produtos químicos – que demandam atenção extra! – é essencial conhecer e obter a certificação para ter ainda mais reconhecimento e respeito no mercado.

Qual é a importância de rotular os produtos químicos?

Como dissemos anteriormente, o manuseio de produtos químicos demanda muito cuidado, e por isso é uma tarefa que vem respaldada por uma série de normas. Tudo isso parece burocrático, mas se trata, na verdade, de métodos de segurança para a vida humana e o meio ambiente!

Os símbolos de risco químico são utilizados para comunicar a existência de substâncias tóxicas ou inflamáveis, e também para produtos químicos em geral. A comunicação deve ser clara, e trazer símbolos mundialmente conhecidos como “perigo”.

Maiores acidentes ocorridos na história da indústria química

A legislação brasileira entende que há uma necessidade ferrenha de acompanhar e monitorar o manuseio de tais produtos, bem como compreende a importância da utilização de símbolo de explosivo, símbolo de tóxico e símbolo explosivos para comunicação.

CONASQ – Comissão Nacional de Segurança Química:

Para demonstrar a sua preocupação com relação aos manuseios e a avaliação de riscos na indústria química, foi instaurada a Conasq, através da conforme a Portaria nº 352, de 8 de setembro de 2003. O Regimento Interno foi aprovado em 2001.

São mais de 20 instituições públicas e privadas reunidas para manter um mecanismo de monitoramento da gestão adequada de substâncias perigosas, evitando assim grandes acidentes. Podemos citar a ANVISA e o IBAMA como dois dos grandes nomes participantes.

A humanidade infelizmente reúne algumas histórias dramáticas relacionadas às falhas de pessoas durante o manuseio/ armazenamento de produtos químicos.

Bophal, Índia – 1984

A Índia protagonizou um dos acidentes mais dramáticos envolvendo produtos químicos. Toneladas do gás Metil Isocianato foram liberados no ar de Bophal, levando mais de 7 mil pessoas à morte, e muitas outras ao desenvolvimento de doenças graves.

Seveso, Itália – 1976

A falha humana fez milhares de vítimas e matou mais de 50 mil animais na Itália após o vazamento de veneno após explosão na fábrica da Hoffman-La Roche. Alguns dos sintomas imediatamente sentidos pelas vítimas foram dor de cabeça, tosse, diarreia e lesões na pele.

Esses são apenas dois casos. Existem inúmeras histórias aterrorizantes que são ligadas diretamente às negligências do uso de produtos de químico por grandes empresas!

Ferramentas de controle – como manter a segurança de sua empresa?

Hoje em dia é possível se valer de algumas ferramentas para controle e gerenciamento de riscos de processos na indústria química. A Verde Ghaia oferece a solução SOGI – Sistema Online de Gestão Integrada, que traz consigo o módulo GRC (governança, risco e compliance).

A ideia é auxiliar para que as organizações consigam antecipar os riscos de suas operações, e com isso traçar planos de prevenção e resolução dos problemas. É importante ressaltar que a consultoria da Verde Ghaia também realiza um mapeamento para identificar quaisquer problemas, e sugerir prevenções.

Essas são estratégias que vão muito além da utilização de símbolos de risco químico. Se trata de um verdadeiro montante de estratégias que, reunidas, conseguem atribuir muito mais segurança e eficácia para o manuseio de produtos químicos.

Realizar essa avaliação de riscos na indústria química é essencial não somente para que a sua empresa atue dentro das leis que regulamentam a atividade. Também para assegurar que tanto as pessoas quanto o meio ambiente estejam protegidos.

Afinal, como bem sabemos, ao exemplo de desastres como o Mariana (MG), ocorrido em 2015, acidentes envolvendo elementos químicos também devastam a vida natural e a terra ao seu redor, causando perdas muitas vezes irreparáveis.

Por isso, a avaliação de riscos na indústria química não deve ser negligenciada sob nenhuma hipótese. Utilizar ferramentas de gestão, e contar com uma consultoria especializada são passos importantes para manter a segurança do planeta.


Fale com a Verde Ghaiae saiba mais sobre Avaliação de Risco.

Como analisar os riscos mais relevantes do negócio?

O Módulo GAIA, cuja sigla significa Gerenciamento de Aspectos e Impactos Ambientais, foi desenvolvido para facilitar o gerenciamento de todos os aspectos e impactos ambientais de sua organização.

Além disso, ele auxilia na avaliação de tais impactos e na criação de planos de ação voltados para a melhoria e adaptação às exigências legais.

No artigo adiante, abordaremos mais sobre o Módulo e os benefícios que as organizações podem alcançar bem como as melhorias em todos seu Sistema de Gestão!

Como atestar os controles e as análises de Riscos Ambientais?

O Módulo GAIA é um sistema para o gerenciamento de todos os aspectos e impactos ambientais significativos de sua atividade, o qual atesta a eficácia dos controles e auxilia na análise dos riscos mais relevantes para seu negócio, além de ajudar a vislumbrar oportunidades de redução de custo ou de novos investimentos.

Através de uma metodologia especialmente desenvolvida por especialistas, vai ficar fácil identificar a significância dos aspectos e dos impactos ambientais aplicáveis à sua organização, bem como a correlação de todos eles com a legislação.

O software oferece o procedimento e os critérios de identificação, informa se o aspecto e impacto ambiental são significativos, quais são os riscos para o seu negócio, identifica de forma clara os aspectos que necessitam de controle operacional a fim de reduzir suas ocorrências e é um suporte para a criação e gerenciamento de planos de ação para cada aspecto em sua atividade e processos.

Conheça os benefícios do Módulo Gaia para sua Gestão

– Armazena informações e históricos.

– Oferece uma interface amigável para visualização das planilhas.

– Gera relatórios e gráficos gerenciais, realizando o envio automático para o e-mail dos interessados, sempre mostrando o status dos planos de ação.

– Detém maior agilidade nos controles e possibilidade de controle centralizado.

– Organiza a gestão de todos os itens do Levantamento de aspectos e Impactos: área, processo, atividade e medidas de controle.

– Gerencia os riscos e oportunidades dos processos e operações, relacionando-os aos aspectos e impactos.

– Relaciona suas atividades finais e suas possíveis consequências de acordo com aspectos e impactos ambientais.

– Gera a análise de riscos e ciclo de vida dos produtos e relatórios gerenciais.

– Permite o controle das permissões de acessos dos usuários e das alterações nas planilhas.

– 100% de confidencialidade e segurança da informação.

– Sistema online, sem necessidade de instalação, com acesso em período integral de qualquer lugar do mundo

Com todas as informações pertinentes inseridas, o software é capaz de responder a milhares de perguntas, tais como:

– Quais são os aspectos/impactos significativos em minha atividade?

– Meus controles estão sendo eficazes?

– Quais os riscos mais relevantes para o meu negócio?

– Há oportunidades de redução de custo ou de novos investimentos?

Só o Módulo GAIA assegura a identificação dos riscos e oportunidades, e determina a gravidade, a frequência, a probabilidade, a incidência, o nível de controle e o risco residual de todos os aspectos e impactos ambientais, evitando a ocorrência de acidentes e garantindo à gestão ambiental o máximo de precisão.


Como elaborar uma Gestão Estratégica baseada em riscos?

Dada as novas exigências, a gestão dos riscos (sem esquecer que as oportunidades também devem ser consideradas) deve ser feita de maneira estratégica e operacional, contando com o compromisso e a participação de todos os níveis e funções da organização. Os passos essenciais a serem seguidos são os seguintes:

Passo 1 – Planejar a gestão de riscos: 

Aqui são definidos como será feito, quem será responsável, como as atividades serão conduzidas, por exemplo.

Passo 2 – Identificar os riscos

Uma primeira identificação pode ser dividida em riscos de saúde e segurança do trabalho, riscos ambientais, riscos de crédito, riscos financeiros ou qualquer outro risco que se enquadre na atividade da sua empresa.

Identificar quais os riscos que a sua empresa está sujeita é de extrema importância. Vale todos, sejam especulativos, de impacto positivo ou negativo. Alguns já foram listados acima e podem te ajudar a realizar esta etapa. Além disso, ao identificar os riscos, sejam internos ou externos, você também encontrará as oportunidades do que pode ser melhorado em seu negócio.

Quanto mais detalhada esta fase, melhor será o desempenho de seu sistema de gestão de riscos. E nunca se esquecer de olhar também os requisitos legais aplicáveis a seu negócio.

Alguns pontos que devem ser considerados nesta etapa, seguindo as orientações da norma ISO 45001, são:

Contexto da organização: aqui deve ser olhado para as questões internas e externas. Uma ferramenta para te auxiliar é a análise SWOT, já que ela permite identificar os pontos fortes e as fraquezas (questões internas) e as oportunidades e ameaças (questões externas).

Partes interessadas: identificar quem são e quais suas necessidades e expectativas, bem como quais estão relacionadas a requisitos legais;

Escopo do sistema de gestão

Como fazer uma gestão estratégica de riscos

Perigos: os perigos também devem ser identificados, tais como: como o trabalho é organizado, fatores sociais, liderança e cultura da organização; atividades e situações de rotina e não rotineiras; incidentes anteriores relevantes; potenciais situações de emergência; pessoas no local de trabalho e vizinhança; questões relacionadas a situações não controladas e mudanças, entre outros, de acordo com a atividade da sua organização.

Passo 3 – Realizar uma análise qualitativa e quantitativa dos riscos

Depois de conhecer os tipos de riscos que sua empresa pode possuir, é fundamental que os riscos sejam quantificados e qualificados. Um primeiro passo é classificar estes riscos entre aqueles que:

  • tem chance muito remota de ocorrer;
  • provavelmente não vai ocorrer, mas pode ser que aconteça;
  • a chance de ocorrer são muito baixas, mas sua existência não pode ser ignorada;
  • tem boa chance de acontecer; e
  • provavelmente vai acontecer, às vezes mais de uma vez.

Após essa prévia classificação por tipo de risco, é importante definir a gravidade das consequências de cada um deles, para saber quais devem ser tratados como prioridade em uma gestão de riscos.

Para essa análise é importante considerar por exemplo o grau de dano ao meio ambiente (perda irreparável, média ou quase nenhum impacto?), aos colaboradores (podem causar a morte, incapacidade total, parcial ou leve?), às instalações e equipamentos da empresa (corre o risco de perder tudo, ou a perda é parcial ou leve?) e à saúde financeira da empresa (os prejuízos serão elevados, médios ou pequenos?).

A quantificação dos riscos e oportunidades auxilia na priorização de ações, ou seja, o que será tratado a curto, médio e longo prazo.

Passo 4 – Planejar a resposta aos riscos

Aqui são definidas quais ações serão tomadas para mitigar ou eliminar os riscos identificados nos passos acima. É o plano de ação, que dará prioridade aos riscos que poderão causar os maiores impactos a seu negócio.

 Para esta etapa devem ser avaliados os limites e a aplicabilidade do sistema de gestão.

Passo 5 – Monitorar e controlar os riscos

Neste passo, o plano de ação é implementado e é feito o seu monitoramento, bem como a identificação de novos riscos e também a avaliação da eficácia dos processos de tratamento dos riscos e sua análise crítica.

 É importante que sua empresa mantenha toda a informação documentada, sejam documentos ou registros para assegurar que o plano de ação ocorrerá conforme o planejado.

Quando fazer gestão de riscos?

Onde fazer a gestão de riscos?

A gestão de riscos pode ser feita para processos, requisitos legais, aspectos e impactos e para o próprio negócio. Quando for para processos, é importante identificar todas as atividades realizadas em cada processo, a fim de identificar as oportunidades e os riscos.

A gestão de riscos para requisitos legais refere-se ao levantamento das legislações pertinentes para a atividade da sua empresa.Se for uma gestão para aspectos e impactos, serão analisados os aspectos e os impactos das atividades e/ou dos processos da sua organização.

Quando a gestão de riscos é para o seu negócio como um todo, então é feito o planejamento estratégico, levando em conta o mercado, a tecnologia, os recursos financeiros, os recursos intelectuais, os recursos humanos e as expectativas passadas, presentes e futuras.

Os benefícios de uma gestão de riscos eficaz para você e sua empresa

  • Proteja seu negócio;
  • Evite perda de valor da empresa devido à ocorrência de crises;
  • Previna e possa prever instabilidades corporativas;
  • Trate as incertezas e os riscos e oportunidades a elas relacionadas;
  • Melhore o relacionamento com as partes interessadas;
  • Maximize o aproveitamento das oportunidades positivas de ganhos;
  • Aumente a probabilidade de atingir os objetivos;
  • Estimule uma gestão proativa;
  • Esteja atento para a necessidade de identificar e tratar os riscos através de toda a organização;
  • Melhore a identificação de oportunidades e ameaças;
  • Melhore o reporte das informações financeiras;
  • Estabeleça uma base confiável para a tomada de decisão e o planejamento;
  • Melhore os controles;
  • Aloque e utilize eficazmente os recursos para o tratamento de riscos.

Uma gestão de riscos eficaz permite que sua empresa:

  • Tenha vantagem competitiva;
  • Esteja mais preparada para se antecipar a problemas;
  • Por saber se antecipar a problemas, estará mais sólida e será mais valiosa aos olhos do mercado;
  • Melhore o planejamento estratégico;
  • Melhore a performance e a produtividade;
  • Atenda às normas internacionais e requisitos legais e regulatórios pertinentes;
  • Melhore a governança;
  • Melhore a confiança das partes interessadas;
  • Melhore a eficácia e a eficiência operacional;
  • Melhore o desempenho em saúde e segurança, bem como a proteção do meio ambiente;
  • Melhore a prevenção de perdas e a gestão de incidentes;
  • Minimize perdas;
  • Melhore a aprendizagem organizacional;
  • Desenvolva uma mentalidade de risco na rotina operacional; e
  • Aumente a resiliência da organização.

Quer saber mais sobre Gestão de Riscos? Fale conosco!