Sistema de Gestão e Compliance: dois temas que se completam
×

Sistema de Gestão nos dias atuais – Deivison Pedroza

Nesses 20 anos de Verde Ghaia, foram várias vezes que ouvi empresas falando sobre sensibilização ambiental, relacionando-a às discussões dos sistemas de gestão. Diferentemente dessas organizações, eu não tenho esse mesmo olhar, visto que a sensibilização, treinamento ou conscientização, seja qual nome se deseja dar, é um processo inerente a todos os colaboradores da organização.

Contudo, é importante que as organizações também compreendam a relação do seu SGA com a qualidade e saúde e segurança, pois acredito serem ‘sine qua non’ nas questões empresariais.

Eu entendo que dentro de um sistema de gestão empresarial, os colaboradores são as sementes. Se forem sementes bem plantadas, consequentemente colhermos frutos maduros e em bom estado. Em outras palavras, quando estamos atentos a importância do gerenciamento da gestão, conseguimos conquistar nosso produto conforme, padronizado, com tudo especificado, tudo que a gente imagina ser necessário, importante e viável.

Sistema de Gestão e Compliance: dois temas que se completam

É comum que as empresas queiram dividir os temas da Gestão, rotulando meio ambiente, saúde e segurança e qualidade, visando facilitar o gerenciamento dos processos internos. Contudo, as organizações devem se preocupar com um tema essencial para gestão: a Qualidade, pois não conseguimos escalar vendas, sem qualidade do produto, correto? Mas, se tornar apenas escalável, também não dá.

Desse modo, as organizações precisam avaliar o ciclo de vida de seus produtos, os aspectos e impactos ambientais, visando a sustentabilidade do negócio. Mas, não é só falar que é sustentável. Costumo dizer que há até bancos que se vendem como sustentáveis, mas não são! 

Afinal, o que é ser sustentável?

Para ser sustentável, é preciso enxergar os valores econômicos, sociais, ambientais. Além disso, é preciso que as empresas tenham discurso sobre os riscos e como o sistema de gestão empresarial é abordado principalmente, em época de crises.

É nesse momento que a ISO aparece, promovendo estratégias mais ágeis e com menos recursos, pois dentro do ponto de vista de gestão, a padronização, a inovação, a prevenção, as ações corretivas, resultam numa maior capacidade de prover informação sólida e segura, padronização de processos, aumento da satisfação do cliente interno e externo. Exemplificando, imagine a Gestão financeira, obviamente que sem dados, sem números nas mãos, você não consegue decidir. E isso, aplica-se a qualquer área, por exemplo a área industrial, quando você precisa especificar alguma coisa; na área de manutenção, quando é preciso determinar até itens de manutenção críticos ou não críticos.

ISO: busca pela evolução dos processos com foco em qualidade e meio ambiente

A ISO não quer apenas produção em série, como era na Revolução Industrial, ao contrário, busca-se por melhorias que possam oferecer o melhor produto final, atendendo às expectativas e necessidades dos produtos finais. Um exemplo classifico de atendimento às necessidades, é o carregador de celular, quando você viaja, você quer que seu carregador se encaixe em qualquer lugar. Porém no Brasil, isso não acontece, porque as tomadas não são padronizadas. Precisamos até hoje, comprar os famosos “T” ou “Benjamin” para usar um eletrônico.

Tudo em nossas vidas há um padrão, uma especificação. O produto deve ser padronizado, conforme estabelecido pelo modelo de padronização da ISO. Em outras palavras, são normas técnicas internacionais que estabeleceram regras para produtos. Desse modo, independentemente, do lugar que eu esteja no mundo, os produtos irão funcionar.

Então padrão ISO, na 9000 ISO, na 14001, ele é simplesmente padronização dos produtos/serviços. Essa relação, entre as normas, deve ser discutida internamente na organização, pois elas se complementam e geram melhores resultados estratégicos para as organizações.

Comportamento das organizações

As empresas quando não conseguem entender a importância de um Sistema de Gestão, elas preferem extinguir as áreas de qualidade, de gestão ambiental e cortando os custos com a alegação de que é caro manter a gestão ambiental, gestão da qualidade, gestão da saúde e da segurança, gestão da responsabilidade social.

Atitudes assim, ocorrem principalmente em época de crise. Contudo, a ISO não é cara. Por exemplo, uma empresa de cimentos, deve ter um budget de aproximadamente 30 a 40 mil por ano, para manter uma ISO, só o certificado. No entanto, o caro será não cumprir a lei, não garantir padrões de especificação. Quanto uma empresa de cimentos não gastaria com multas e sanções ambientais? O valor é incalculável, pois estamos falando, não apenas de dinheiro, mas, de reputação da marca, perda de mercado, perda de fornecedores.

Portanto, é inquestionável o investimento em um SGI que preze pelo cumprimento das regras estabelecidas pela ISO, mas que também faça cumprir as Leis estabelecidas. A partir desse entendimento, percebe-se que é muito mais barato investir em 1 ou 2 milhões para cumprimento de leis, condicionantes, padronização ISO, do que ficar concertando bagunças, muitas vezes, incalculáveis.

Posicionamento das Organizações

Costumo dizer que o responsável pela ISO, em uma organização, é quase que a secretária. Ele simplesmente organiza toda a documentação para dar um norte, ou seja, apontar os erros, os acertos, os riscos, as oportunidades.

A Política de meio ambiente e qualidade são cobrados pelos clientes, eles exigem produtos e/ou serviços que tenham padronização e exigem a qualidade daquilo que está sendo oferecido. Esse comportamento, já é esperado dos clientes, já está enraizado na nossa cultura. Porém, está sendo instaurado um novo comportamento na sociedade, visto os diversos problemas ambientais. E, com isso, os clientes passam a cobrar das organizações mais responsabilidade ambiental.

Contudo, a mudança de comportamento social, gera um novo posicionamento organizacional, ou seja, uma nova discussão sobre como se posicionar para a sociedade com mais transparência, ética e com propósito, adequando-se às transformações sociais. 

É claro que a corporação, o dono, os sócios e/ou os acionistas, têm um propósito maior que, normalmente estão associados a como manter a empresa por mais 40, 50 anos, questionando se é o momento adequado para se crescer num mercado de ações, se é a hora de fazer fusão, se é a hora de aquisição, de joy venture.

Vantagens do Sistema de Gestão

Quando se gerencia um sistema de gestão, ele te oferece muitas vantagens. Há países, como a Colômbia, por exemplo, que só vende/compra de quem tem ISO implementada e certificada. Diferente no Brasil, visto que as vantagens ainda não são tão claras, de um modo geral, há vantagens específicas.

As empresas precisam entender, no entanto, que não são os custos que devem ser discutidos, mas sim, o que está sendo prevenindo e o quanto estou economizando com o investimento feito para manter a certificação ISO, bem como o gerenciamento dos sistemas de Qualidade, Meio Ambiente, Saúde e Segurança. Outro ponto importante, para que esse discurso do custo possa mudar, é a comunicação entre as áreas.

Organizações precisam mudar seu mindset

Os gerentes de SGQ, SGA e SSO precisam manter a comunicação entre as áreas do financeiro, administrativo, de modo que todos deixem claro os gastos ocorridos com multas, sanções, retrabalho, corretivos. São esses dados que farão diferença para a Alta Direção compreender a importância de se investir num sistema de gestão que gere indicadores com dados assertivos para tomada de decisão.

Outro questionamento, ou melhor, comparativo, que as organizações precisam entender e visualizar, são os dados reais de retrabalhos que já ocorreram, tais como, o valor gasto no ano de empregados acidentados e afastados; a interdição de empreendimentos por falta de documentação não revalidada; descumprimento de uma lei que resultou em gastos excepcionais.

É o Gestor do Sistema de Gestão ISO, que vai apontar o que precisa ser feito e ainda ajudar a organização a compreender como deve ser feito e quais leis a empresa precisa cumprir para evitar penalidades e crescer de forma saudável.


Deivison Pedroza – Fundador e CEO do Grupo Verde Ghaia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *