Conheça os arquivos do BLOG "Diversas Categorias"
×

Comunicado VG: Fato Relevante

Prezados Clientes e Parceiros,

É com grande satisfação que comunicamos que a partir de hoje, 28/10/2020, a Verde Ghaia -VG, passa a ser uma empresa do Grupo AMBIPAR.

Continuaremos com o nome fantasia, VERDE GHAIA – VG. Mas, a nossa denominação social passa a ser AMBIPAR GREEN TECH LTDA.

Fique tranquilo, para você não muda nada! Aliás, você conta agora, com a maior empresa de Gestão ambiental do País e com novos produtos e serviços à sua disposição.

A VERDE GHAIA, com seus 21 anos de mercado, possui mais de 1.700 clientes, atuando principalmente em serviços de gestão de riscos e compliance de sustentabilidade, incluindo elevado padrão de inovação e inteligência artificial, e agora mais do que nunca, ganha força para ajudá-los a estarem a frente de soluções de sustentabilidade de ponta, através dos critérios ESG.

Com a aquisição, a Ambipar assume a liderança de mercado em software e sistema de gestão ambiental levando a inteligência artificial em gerenciamento e rastreabilidade das informações.

Bem vindos a um novo tempo!

Seguimos juntos com a qualidade, transparência e inovação que o mercado ESG espera.  

Deivison Pedroza |Diretor Executivo

Daniela Pedroza |Diretora Técnica

Grupo AMBIPAR

Como alinhar seu negócio às transformações digitais?

Com a Pandemia de Covid-19, todas as empresas que ainda seguiam uma mentalidade de gestão vertical sentiram diretamente o impacto disso, percebendo no susto que era hora de se transformar. A grande questão é que realizar uma transformação bem no auge de uma crise pode ser perigoso e até mesmo colocar os negócios em risco.

O ideal é que sua organização esteja sempre na vanguarda. E neste momento o mais indicado é adequar seu modelo para uma grande transformação digital.

O que é transformação digital?

Significa reestruturar os processos de sua empresa, fazendo uso da cultura digital/tecnologia para ganhar em produtividade — produtividade esta que pode refletir tanto nos lucros da organização quanto na qualidade de vida de seus colaboradores.

A transformação digital não ocorre somente porque a empresa implantou alguma nova tecnologia. Esse tipo de transformação é muito mais grandiosa e deve gerar uma mudança de mindset em toda a empresa (sobre o qual já falamos aqui), refletindo principalmente no relacionamento com os clientes.

Acesse o Canal Verde Ghaia

Benefícios da transformação digital

A TD não apenas torna todos os processos mais ágeis e eficazes, mas também traz outras vantagens:

  • Melhora a experiência de clientes e fornecedores, pois estes terão mais facilidade para se comunicar com a empresa
  • Torna os processos operacionais mais eficientes, simplificando processos muitas vezes complexos e trazendo assim mais qualidade de vida à equipe
  • Baixa custos no longo prazo
  • Simplifica/Facilita a gestão de modo geral
  • Estimula a criação de novos modelos de negócios
  • Abre caminhos para a realização de Inbound Marketing, ou seja, atrair e converter novos clientes através de canais digitais, como mecanismos de busca, blogs e redes sociais.

Como realizar a transformação digital?

Para realizar a TD, não basta atrelar todos os processos da empresa ao uso da internet ou de equipamentos modernos, ou limitar-se a construir um site atraente, estar nas redes sociais ou associado a digital influencers. O conceito vai muito além disso; exige mudanças estruturais na empresa e na mentalidade das pessoas que ali trabalham.

Visão, missão e valores

Todos os aspectos da transformação digital são guiados pelos objetivos organizacionais. Sendo assim, a TD precisa estar intimamente atrelada à visão, missão e valores da empresa, caso contrário será em vão.

A cultura digital só se firma quando as atitudes e os comportamentos dos colaboradores são capazes de sustentar o uso das ferramentas digitais, fazendo delas um valioso artifício para oferecer mais valor ao cliente e, consequentemente, garantir o crescimento da organização.

Empresas que priorizam a cultura da empresa durante a transformação digital comprovadamente obtêm retorno financeiro superior quando comparadas àquelas que não o fazem. Em suma: não faz sentido adotar novas tecnologias ou implementar soluções digitais se seus usuários (ou seja, os colaboradores) não entenderem o propósito disso.

Mudança de mindset da gestão

Para que a transformação realmente aconteça, a adesão à cultura digital deve começar na liderança. Foi-se o tempo em que era aceitável aquela figura do líder “dinossauro” que deixa tudo por conta dos mais “jovens e descolados”.

Esta imagem clichê está completamente ultrapassada. É muito importante que o líder esteja bem inserido no contexto da cultura digital, até mesmo porque ele será o principal responsável por vencer quaisquer obstáculos que possam surgir ao longo do caminho — os quais não excluem resistência de equipes em adotar processos inéditos.

Infraestrutura física

Inegavelmente, a transformação digital exige infraestrutura e esta deve ser pensada no longo prazo, já que não é barata. Será preciso investir em equipamentos, softwares, aplicativos, armazenamento em nuvem, servidores e muito mais.

No entanto, devemos lembrar que é o tipo de investimento que vale a pena, pois traz muito retorno. Caso sua empresa não possua experiência com tecnologia, vale buscar consultoria externa — inclusive no que diz respeito à expansão digital dos negócios.

Planejamento estratégico

Nem só de maquinários e softwares vive a transformação digital. Se não houver um bom plano estratégico, de nada valerá tanto investimento em treinamentos e programas.

Mantenha os objetivos de gestão em dia. A inserção de tecnologia pura e simplesmente nunca é garantia de sucesso.

Análise de dados

Na cultura digital, a análise de dados é extremamente importante. Adote indicadores e conheça bem todos os recursos existentes nesse meio (SEO, analytics, adwords, adsense etc). Isso ajuda na tomada de decisão e na gestão de riscos, além de reduzir as chances de acontecerem erros crassos.

O mais importante de tudo é a empresa compreender seu posicionamento no mercado, pois não adiante adotar uma roupagem digital e forçar sua presença online se não houver o entendimento real do que isto significa.

A transformação digital requer resiliência e capacidade de atualização em alta velocidade. Conheça o Curso Gestão Acelerada da VG e alavanque seus negócios!

SUPERE OS DESAFIOS DA SUA EMPRESA COM PRÁTICAS USADAS PELAS STARTUPS MAIS VALIOSAS DO MUNDO!

Lei Anticorrupção: O que todos brasileiros precisam saber?

A Lei 12.846 de 2013, conhecida como Lei Anticorrupção (LAC), abrange os atos lesivos da administração pública e privada. Essa lei é um marco na legislação brasileira, visto que a partir dela as organizações passaram a buscar ações que combatessem atos de corrupção, implementando Programa de Compliance em seus processos empresariais.

É sobre isso que a nossa Consultora Julia Lourenço irá apresentar no Legislação Comentada de hoje. Acompanhe com a gente essa discussão sobre os atos lesivos à administração pública nacional ou estrangeira e sobre o processo administrativo de responsabilização, dispostos na Lei 12.846 de 01 de agosto de 2013.

O que dispõe a Lei 12.846 sobre a anticorrupção?

A Lei Anticorrupção (LAC), entrou em vigor em janeiro de 2014, tornando-se uma norma de grande importância, pois seu objetivo principal é o de combater os grandes problemas de corrupção no Brasil e no mundo.

Desde a sua publicação, todas as organizações passaram se atentar para o cumprimento das obrigatoriedades dispostas na lei Anticorrupção. Isso, porque os resultados do não cumprimento delas, podem gerar consequências irreversíveis como a perda de colocação no mercado e a perda de clientes.

Percebe-se, também, que a Sociedade tem estado mais atenta ao posicionamento das marcas perante o mercado. Esse movimento social, embora seja antigo, ganhou ainda mais força com a publicação da referida lei, LAC.

Não estar atento às ações atribuídas pelo Compliance, significa hoje, que a empresa não se importa com a sociedade. Isso refletiu numa espécie de “corrida” rumo a uma gestão transparente para a sociedade, de modo que nós, cidadãos de bem, possamos adquirir produtos daqueles que visam o bem comum.

O que podemos entender sobre atos lesivos administrativos?

Os atos lesivos à administração pública e/ou privada, se referem a todos aqueles praticados pelas por jurídicas contra o patrimônio público nacional ou estrangeiro, bem como, os princípios da administração relacionados aos compromissos internacionais assumidos pelo Brasil.

Como a Lei influência nas diretrizes empresariais?

Podemos entender a aplicabilidade dessa lei na gestão empresarial, definindo alguns pontos tais como, citados abaixo.

1. prometer, oferecer ou dar, direta ou indiretamente, vantagem indevida a agente público, ou a terceira pessoa a ele relacionada;

2. financiar, custear, patrocinar ou de qualquer modo possa interferir na prática dos atos ilícitos

3. utilizar-se de pessoa física ou jurídica para ocultar ou dissimular seus reais interesses ou a identidade dos beneficiários dos atos praticados.

Pontos importantes da Lei em licitações e contratos

1. frustrar ou fraudar, mediante ajuste, combinação ou qualquer outro meio, o caráter competitivo de procedimento licitatório público;

2. impedir, perturbar ou fraudar a realização de qualquer ato de procedimento licitatório público;

3. afastar ou procurar afastar licitante, por meio de fraude ou oferecimento de vantagem de qualquer tipo, como por exemplo: oferecendo dinheiro em troca ou qualquer benefício e vantagem ilegal

4. fraudar licitação pública ou contrato dela decorrente;

5. criar, de modo fraudulento ou irregular, pessoa jurídica para participar de licitação pública ou celebrar contrato administrativo;

6. obter vantagem ou benefício indevido, de modo fraudulento, de modificações ou prorrogações de contratos celebrados com a administração pública, sem autorização em lei, no ato convocatório da licitação pública ou nos respectivos instrumentos contratuais; ou

7. manipular ou fraudar o equilíbrio econômico-financeiro dos contratos celebrados com a administração pública;

8. dificultar atividade de investigação ou fiscalização de órgãos, entidades ou agentes públicos, ou intervir em sua atuação, inclusive no âmbito das agências reguladoras e dos órgãos de fiscalização do sistema financeiro nacional.

Como as Penalidades podem ser aplicadas?

As penalidades previstas na Lei 12.846 podem ser aplicadas isoladas ou cumulativamente, mas para isso, deve ser analisado o caso concreto com a gravidade e a natureza das infrações. E caso, não seja possível a aplicação da multa mencionada, o valor cobrado poderá chegar até 60.000.000,00 (sessenta milhões) de reais.

Partindo desse ponto de vista, podemos concluir que o combate a corrupção no Brasil ganhou ainda mais força com a publicação da Lei, uma vez que as penalidades se tornaram mais sérias  e realmente cobradas pela sociedade, caso haja descumprimento.

E você? Qual a sua opinião quanto a publicação da Lei Anticorrupção, ela realmente causou impacto nas organizações? Deixe seu comentário abaixo e vamos discutir esse assunto polêmico.

Acompanhe o Canal da Legislação Comentada e fique por dentro! Um abraço e até logo.

Equipe Jurídica e de Gestão de Risco e Compliance

Gestão de Riscos: saiba quais são as Penalidades

Referente ao não atendimento dos requisitos, as organizações podem estar sujeitas a aplicação de penalidades. Não obstante, através da análise da inteligência artificial da  LIA, você poderá visualizar quais são as penalidades aplicadas em cada obrigação legal, sendo as referidas penalidades divididas em 04 (quatro) tipos:

(i)educativas;

(ii) privativa de liberdade;

(iii)financeira (multa),

(iv)restritiva de direito.

Como a LIA te ajuda a compreender as penalidades dos Riscos?

Seja para demonstrativo de valores a que a organização está exposta, no tocante às sanções, seja para alta direção, bem como para a tomada de decisões efetivas. Sem dúvida, a  LIA  tem muito a oferecer a sua Gestão de Risco.

(i) Traz as penalidades avaliadas individualmente para cada obrigação;

(ii) Resumo financeiro, consideração a avaliação de todo o risco exposto (que é pelo não atendimento de uma obrigação/ não conformidade);

(iii) Risco Desconhecido (que a empresa ainda não avaliou);

(iv) Risco Prevenido (o quanto que a organização já preveniu e corrigiu):

(v) Risco Total (somatório de todos riscos);

(vi) Priorização dos temas relevantes de acordo com o status da conformidade das obrigações aplicadas a organização, para que assim possam ser tomadas decisões pela organização;

(vii) Demonstrativo do valor total de multa com um paralelo nos planos de ações estabelecidos pela empresa, com o que está previsto e o que já foi realizado para correção/adequação.

(viii) Indicadores de risco, considerando alertas: baixo, médio e alto.

Por que toda organização deve identificar seus Riscos?

A importância do conhecimento do risco normativo a que a organização está sujeita, é de suma importância para evitar danos e prejuízos futuros, para isto, conte conosco! Nós vamos te auxiliar de modo que você possa lidar melhor com a rotina de sua gestão e de seu processo de monitoramento legal.

LIA: indicadores relevantes para a sua tomada de decisão

Em suma, a inteligência artificial da Lia vai te auxiliar a gerenciar e monitorar seus requisitos, ajudando você na identificação de seus riscos para tomar decisões com mais segurança e assertividade.

Ainda, caso a organização entenda relevante a conjunção de outros riscos mapeados, como os operacionais e do negócio, junto ao risco normativo, elas poderão utilizar o módulo de gestão da riscos da Verde Ghaia, o GRC.

Através destes módulos, fatores como probabilidade de fiscalização, severidade do dano, abrangência do dano, jurisprudências associadas, poderão também ser conjugados ao grau de risco normativo oriundo da LIA, formando, assim, o que denominamos de índice de risco.

Agende uma apresentação com a Equipe especialista em Gestão de Risco e Compliance e entenda na prática como a LIA vai te ajudar!

Raquel Varoni – Gestão de Risco e Compliance

SOGI: Solução tecnológica para Indicadores da sua gestão

A cada passo que você dá, produto que adquire ou processos que realiza, existem por trás, requisitos legais que os regem. A integração de todas as normatizações facilita a viabilidade e a qualidade de tudo que chega até você.

No presente artigo, queremos apresentar alguns pontos importantes de se implementar uma Gestão com foco em gerenciar requisitos legais de forma otimizada gerando indicadores estratégicos para sua tomada de decisão.

Boa leitura!

Como evitar multas, embargos e complicações legais para a sua empresa?

Primeiro passo é controlar os seus requisitos legais. Eles devem ser vistos como uma prioridade, tanto para o crescimento dos negócios quanto para a cumprimento das normas, visto que o não cumprimento pode acarretar uma série de problemas! E, alguns deles podem ser irreversíveis.

Dessa forma, os requisitos legais aplicáveis à sua organização se referem a todas as normas que você precisa cumprir para exercer a sua atividade dentro da lei.  Há algumas ações relevantes que todo gestor deve se ater para atender a legislação. E para isso, existem ferramentas com tecnologia de ponta que vai te auxiliar nesse processo de gerenciamento, mas com um olhar mais estratégico para o negócio.

Por que fazemos controle dos Requisitos Legais? 

Quando se dá o primeiro passo para o gerenciamento de requisitos legais, a organização deve compreender que é um investimento para o negócio. Como dito anteriormente, evitar complicações legais vai além do financeiro, podendo denegrir a imagem da sua empresa, levando-a problemas sérios como o encerramento de atividades e até mesmo a prisão do CEO.

Percebe que monitorar requisitos legais, não é apenas acompanhar se a sua organização está em dia com a legislação que rege o negócio! Embora, a princípio, soe apenas como uma medida para evitar penalidades civis, administrativas ou criminais em função do não cumprimento das leis, é muito mais do que isso.

Estar em conformidade legal significa manter a ética empresarial, melhorar processos, contribuir para uma Sociedade mais justa e melhor de alguma forma. Isso mostra que a sua organização:

  • Nutre preocupações para com o bem-estar da sociedade em geral
  • Busca ser transparente
  • Demonstra honestidade
  • Se preocupa com a segurança e saúde do trabalhador
  • Zela pelo meio ambiente

É nesse momento que as empresas passam a entender o sentido do gerenciamento de requisitos legais e implementam Programas de Compliance em seus processos, pois é uma forma de regular não apenas requisitos, mas também condutas dos colaboradores e stakeholders.

Interrelação dos Riscos com a Governança Corporativa!

Podemos entender o termo Governança como o conjunto de processos, política e regulamentos que regulam a maneira como uma empresa é administrada, bem como as decisões que são tomadas. Essas decisões são baseadas, muitas vezes, nos Riscos e que podem ser entendidos como os episódios a que uma organização está sujeita, independentemente do quão planejada e organizada ela seja, podendo se tornar obstáculos para que os objetivos da organização sejam alcançados.

E quando passamos a ter uma visão mais ampla do negócio, percebemos o quão importante se torna um Programas de Compliance. Isso, porque o Compliance compreende um conjunto de normas que no âmbito coorporativo orientam o gestor a estar em conformidade com as leis e regulamentos aplicáveis ao seu negócio.

Essa combinação – Governança, Riscos e Compliance – tem por consequência transações transparentes, com avaliação de risco eficiente e conformidade legal, bem como regulamentações, garantida.

Mas como uma organização se beneficia com esses princípios?

Aumento da credibilidade: O trânsito de informações entre setores da empresa, quando gerido de forma correta, propaga transparência, que gera mais credibilidade e segurança tanto para envolvidos diretamente nos processos daquela organização, quanto para terceiros interessados.

Diminuição de gastos: A comunicação entre as áreas de uma empresa resulta em um fluxo unificado de informações, o que pode reduzir os custos extras com auditorias internas, por exemplo.

Solidificação do negócio: A tendência de uma organização que se está sempre preparada para os possíveis riscos que podem incorrer sobre ela torna-a mais estável e segura perante momentos de desequilíbrio.

Resultando, também em tomadas de decisões mais confiantes.

Contenção de fraude. Obviamente fraudes sempre foram malvistas sob o ponto de vista ético. Todavia, atualmente, com o avanço da tecnologia e a velocidade com a qual as notícias circulam, uma empresa fraudulenta pode ser mais facilmente excluída do mercado ou ficar permanentemente marcada.

Por que otimizar a Auditoria dos requisitos legais?

Os resultados de auditorias são fatos e evidências, como os objetivos verificados por um auditor durante o processo de Auditoria de Conformidade Legal. Sua função é verificar se o sistema de gestão está entregando os resultados pretendidos dentro do objetivo de cada processo, colaborando de forma direta nos resultados de sua empresa e abrindo portas para uma auditoria certificadora.

Para a sua eficiência é importante destacar:

  • Avaliação de documentos
  • Verificação em campo dos processos
  • Entrevistas com os funcionários
  • Observação da execução das atividades da empresa.

Por se tratar de um processo cansativo, ele pode contar com a ajuda de um Software, visando sua otimização, maior eficiência e organização.

Marcela Torres Guaracy |Jurídico – Grupo Verde Ghaia


Fale conosco e conheça nossos produtos e serviços. Se desejar leia nosso e-book sobre os Módulos SOGI.

Por que monitorar seus Indicadores?

Os indicadores de desempenho, conhecidos também como KPI (Key Performance Indicators), são métricas que quantificam o desempenho de processos numa empresa e que podem ser de grande utilidade quando alinhados aos objetivos organizacionais.

Eles podem ser adotados em basicamente qualquer setor, mas obviamente devem estar sempre inseridos no contexto do negócio para propiciar crescimento saudável e sustentável.

É exatamente sobre isso que iremos abordar! Continue com a gente e boa leitura!

Indicadores: Requisitos importantes para Gestão

Os indicadores atendem à três importantes requisitos dos processos, responsáveis por redirecionar, melhorar, mudar ou mesmo transformar o negócio. São eles: mensuráveis; previsíveis; comparáveis.

Esses indicadores fazem parte da metodologia SMART, cujo contexto foi abordado anteriormente. Portanto, é importante estabelecer critérios que serão transformados em números, para assim, avaliar o que deve ser feito.

Basicamente, existem ainda quatro tipos de indicadores principais que costumam servir de diretriz ao Gestor.

Indicadores de desempenho de produtividade

Referem-se ao uso de recursos da empresa em relação aos resultados produzidos em determinado período. Indicadores de desempenho de produtividade devem ser acompanhados por indicadores de desempenho de qualidade, afinal não adianta produzir muito de um produto se ele estiver com qualidade abaixo da esperada ou não estiver atendendo as necessidades do cliente.

Indicadores de desempenho de qualidade

Detectam rapidamente as não-conformidades ou desvios no processo. Os dados sólidos são obtidos através da razão entre produção total e produção com desvios. Além disso, deve existir um trabalho paralelo para mensurar a satisfação do cliente final.

Indicadores de desempenho de capacidade

Ttodo processo tem um limite máximo de desempenho num determinado período. Ou seja: se eu fabrico garrafas pet, existe uma quantidade limite de garrafas que consigo produzir por hora. Este indicador determina a quantidade máxima de entregas do produto que você é capaz de realizar num determinado período. Ótimo para informar sua capacidade de produção ao cliente ou mensurar a produção no longo prazo.

Indicadores de desempenho estratégico

É um indicador que foca nos objetivos de maneira mais abrangente, ou seja, ele mostra o quanto a empresa está se aproximando de sua Visão, ou seja, do lugar onde deseja chegar. É um indicador diretamente relacionado aos fatores críticos de sucesso de sua organização.

Mas o gestor também pode se basear em muitos outros indicadores para realizar seu planejamento, e as possibilidades são infinitas: indicadores de acidentes por período, indicadores de turnover (a famosa rotatividade na empresa), indicadores de lucratividade, indicadores de conversão de leads em clientes, indicadores de desempenho ambiental etc. Tudo depende da sua necessidade.

O fato principal é que indicadores são essenciais para a gestão, pois somente eles podem apresentar dados sólidos, determinar padrões e permitir um planejamento de longo prazo.

SOGI: ótima oportunidade de se fazer uma gestão integrada com Indicadores.

Razões para adotar Indicadores na sua empresa

– Resolver problemas ou buscar por oportunidades;

– Analisar padrões ao longo do tempo (de produção, de processos,)

– Realizar ajustes, auxiliando assim, a empresa a se manter no rumo certo;

– Medir progressos;

– Monitorar a saúde geral da empresa;

Fazer uso de Indicadores é uma ótima oportunidade de se fazer uma gestão integrada.

Por que usar Indicadores na sua Gestão?

O Módulo Indicadores poderá ser utilizado por todas as empresas para monitoramento de seu desempenho em diversas áreas/setores. Além disso, ele é totalmente integrado aos outros módulos do SOGI, isto significa que é possível, compilar todas as informações de sua empresa e gerar relatórios muito mais específicos.

Com o Módulo Indicadores, sua empresa poderá centralizar e compilar todos os dados necessários para montar indicadores em um só lugar, gerando relatórios e gráficos instantâneos, os quais podem ser apresentados diretamente no sistema durante uma reunião, por exemplo.

Além disso, há muitas outras vantagens, como:

– Criação imediata de gráficos, principalmente para uso em apresentações.

– Visual atrativo e de fácil compreensão de crescimento.

– Possibilidade de visualizar o funcionamento da estratégia.

Os indicadores sem dúvida são os melhores norteadores do desempenho de uma empresa. Através da análise de resultados, é possível medir se sua organização está mesmo no caminho certo. A

s informações oriundas de indicadores são fundamentais para guiar projetos, ajudar no planejamento, permitir análise de riscos e vislumbrar o futuro de sua produção.

Se você ainda não realiza a avaliação de métricas das atividades de sua organização de maneira precisa, já é hora de começar.

Contate a Verde Ghaia e conheça mais sobre o novo módulo do SOGI.

Fale Conosco!

Fazer o que é o certo. Sua empresa se preocupa com isso?

Hoje existem diversas estratégias que definem o que é o certo, garantindo que sua organização se preocupa em seguir as diretrizes e requisitos exigidos, e ainda dá a certeza para o mercado e seus consumidores que você está fazendo o que é preciso.

Tenha um Sistema de Gestão eficiente

A certificação nas normas ISO é uma delas. Esta certificação é um processo no qual uma empresa é avaliada para ver se atende aos requisitos das normas correspondentes ao seu nicho de atuação. Ao obter a certificação da norma ISO, você atesta que oferece garantia e legitimidade a seu negócio segundo padrões internacionais.

Tecnicamente falando, possuir a certificação da norma ISO na sua empresa garante a conformidade, qualidade e segurança de seus produtos ou serviços de acordo com as regras de seu segmento, assegurando a eles eficiência e eficácia e também solidez para sua organização, gerando maior confiança na relação com o consumidor final e com o próprio mercado.

Significa igualmente que você irá melhorar os sistemas de gestão de sua organização, reduzindo riscos e evitando muitas perdas nos processos produtivos. Dessa maneira, você ganha competitividade em seu nicho de mercado em conformidade às regras técnicas.

Certificação ISO: demonstre compromisso com a Qualidade

É importante ressaltar que há várias vantagens de se ter um sistema de gestão eficiente. Uma delas é quando a eficiência do SG contribui na conquista da certificação. Uma vez, que a empresa possui a certificação ISO, significa que você passa a representar aquilo, o que você realmente oferece como produto ou serviços. Você agrega valor à sua marca, ganha boa reputação e também facilita a introdução de novos produtos no mercado.

Essa agregação de valor demonstra um compromisso com a qualidade do que você oferece, podendo transformar toda a cultura da sua organização e estimulando seus próprios colaboradores a buscar constantemente a melhoria contínua.

A certificação ISO também permite medir mais facilmente o desenvolvimento da sua empresa e assim melhorar a sua organização, os seus produtos ou os seus serviços aos olhos de seus clientes.

Entretanto, apenas obter a certificação da norma ISO não assegura todas estas vantagens. Muitas vezes, quando as empresas conseguem o certificado, acabam na verdade perdendo valor, simplesmente por não saber utilizar todos esses benefícios perante o mercado globalizado. Até porque hoje o mercado está se distanciando um pouco dessa questão de selo, seja ISO 9001, ISSO 14001 ou qualquer que seja.

Em 2015 tivemos uma revisão nas certificações ISO, justamente tendo esse foco, fazendo a norma passar a ter um papel mais direcionado para as tomadas de decisão. Por isso, a certificação ISO passou a ser considerada uma ferramenta estratégica do negócio.

Certificado ISO: não é mais importante do que seu Sistema de Gestão

Essa mudança aconteceu porque as empresas, nos últimos anos, passaram a descobrir que o selo não é mais importante que a gestão em si. Na verdade, é a gestão que faz o negócio ser sustentável, no sentido de que, caso ele tenha algum desvio ambiental por exemplo, esse desvio não se tornará uma conta impagável que leva ao fechamento do negócio. Grandes desastres que aconteceram recentemente são um ótimo exemplo disso na prática.

Pense no caso de Brumadinho. O desastre que aconteceu na Mina Córrego do Feijão é uma conta impagável. Independentemente do tamanho ou da força econômica da Vale, ela nunca vai conseguir pagar por todos os danos socioambientais advindos do rompimento da barragem. Os danos à vida humana ocorridos ali são incalculáveis, por mais que existam análises de risco que calculem o “preço de uma vida humana” em caso de desastres. Uma vida jamais terá um preço.

Um outro exemplo é Mariana. Também relacionado com o rompimento de uma barragem, ali aconteceram desastres ambientais que causaram impactos não só em Minas Gerais, mas também no Espírito Santo porque contaminaram rio, solo, destruíram fauna e flora chegando até ao Oceano Atlântico.  As consequências ambientais dessa catástrofe foram tão severas que vai levar anos para entender os reais efeitos de tudo o que ocorreu e implementar ações com soluções efetivas.

Quando esses impactos negativos sobre o meio ambiente e sobre vidas humanas são colocados em uma balança, a empresa (ou as empresas) envolvidas passam a ter um peso difícil de carregar.  Nesses casos, estamos falando da marca de uma organização, da sua imagem e da sua reputação perante o mercado, os consumidores e a sociedade como um todo, de multas, sanções e penalidades a que ela estará sujeita pelo impacto causado.

Tripé da Sustentabilidade

Todos esses pontos compõem o tripé da sustentabilidade. E hoje se fala tanto em ser sustentável que não é mais possível fingir que não se conhece o termo ou que ele não importante para uma empresa. Para todas as organizações, seja de qualquer porte ou segmento, deve ser analisada e avaliada a questão econômica, a questão ambiental e a questão social. Se qualquer um desses pontos estiver enfraquecidos, mais cedo ou mais tarde (e não será tão tarde assim) você quebra o seu negócio.

Intimamente ligado a esta ideia de certificação ISO e sustentabilidade está o compliance. Compliance é um termo que diz respeito ao cumprimento das leis, normas e regulamentos, tanto internos quanto externos, que regem uma organização, prezando pela cultura da ética e da integridade no relacionamento entre os colaboradores, gestores e stakeholders. Além de cumprir com normas legais, políticas e diretrizes, compliance também diz respeito a prevenir, detectar e remediar qualquer desvio ou inconformidade que possa ocorrer com uma organização.

Por que estar em Compliance?

Estar em compliance assegura que a empresa está cumprindo totalmente todas as imposições dos órgãos de regulamentação, dentro de todos os padrões exigidos de seu segmento. É imprescindível esse atendimento às leis, normas e requisitos aplicáveis à organização, porque processos com elevado nível de compliance acabam por ter resultados mais satisfatórios. Além disso, resultam em uma vantagem competitiva ante os concorrentes, bem como facilitam o acesso a linhas de crédito, valorizam a organização da empresa e fornecem melhor retorno dos investimentos aplicados.

Por outro lado, não estar em compliance traz sérios riscos para sua organização, como por exemplo sanções legais, perda de reputação, incluindo valor da marca e valor de mercado, e perdas financeiras, variando conforme a gravidade do que foi infringido, podendo ir de pagamento de multas até prejuízos por paralisação da atividade ou em casos mais graves, fechamento da empresa e falência.

Quer saber mais sobre Compliance e Sustentabilidade? Fale com um dos nossos especialistas em Gestão de Risco e Compliance!

O que é Programa de Compliance?

O que é Programa de Compliance? Saiba o que é, entenda seu contexto e saiba como implementá-lo! Um programa de compliance procura o atendimento de outras normas, como as tributárias, trabalhistas, contábeis, de antissuborno e de anticorrupção, e mais todo um universo de obrigações que estão atreladas ao funcionamento da empresa.

Dessa forma, quando uma organização atende por exemplo os requisitos de meio ambiente para a implementação de uma certificação ISO, automaticamente ela está atendendo um item específico de seu programa de compliance.

Compliance a Certificação ISO: é possível correlacioná-las?

É nesse momento que compliance e certificação ISO se correlacionam. Porém, quando estamos falando do atendimento a um item do programa do sistema de gestão em si, acaba dando a entender que é mais um cumprimento de mais um item, e não a questão cultural de acreditar que a empresa deve atender todas as normas que compõe esse universo que o programa de compliance exige.

Para mudar esse pensamento, basta compreender que tudo está interligado, não sendo possível dizer que existe uma certificação ISO sem estar em compliance. Ou seja, implantar um sistema de gestão é estar em compliance por utilizar diretrizes que foram testadas e que são replicadas no mundo inteiro.

Quando falamos em compliance, não estamos falando somente de um software de gestão, como o SOGI da Verde Ghaia. Na verdade, estamos falando da própria gestão em si, cujas normas internacionais foram criadas para ajudar/orientar as empresas a seguirem um caminho limpo, ético, transparente e íntegro, em todos os sentidos.

Resumindo, podemos dizer que o programa de compliance, de um modo claro, é macro. E o sistema de gestão é focado em trabalhar áreas específicas do programa de compliance.

Compliance e Sistema de Gestão Integrada

Quando uma empresa tem um sistema de gestão integrada (SGI), pressupõe-se que nessa organização existam já diversas áreas internas. Portanto, muito do que já existe nessas áreas pode ser aproveitado no programa de compliance.

Para ilustrar tudo o que falamos até agora. Vamos imaginar duas situações. Na primeira uma organização decidiu que pretende estruturar um programa de compliance dentro da empresa. Se ela já possuir um sistema de gestão, esse trabalho já começa adiantado, porque muitos dos requisitos do programa de compliance já se encontram dentro do Sistema de Gestão Integrado. Por exemplo, se nessa empresa já existe uma implementação da gestão de qualidade (ISO 9001) e de meio ambiente (ISO 14001), isso elimina etapas a serem cumpridas, contribuindo já com o trabalho do setor de compliance.

E essa contribuição não é só no atendimento em si, mas também na checagem desse atendimento por ter um programa de gestão (no caso qualidade e meio ambiente) já em funcionamento, pressupondo que já exista um diagnóstico de aplicação das normas, permitindo assim acompanhar o status delas através do programa de auditoria, inserindo a empresa dentro de um ciclo de PDCA e de melhoria contínua, tudo funcionando perfeitamente.

Agora pensando numa segunda situação, no caso de uma empresa que não possua a certificação, mas já tenha implementado o programa de compliance. Caso o fornecedor exija que haja, a partir de agora, a ISO 14001 para continuar a atendê-los, o processo fica muito mais fácil e rápido, porque a área de compliance pode comunicar para essa nova área de meio ambiente quais os requisitos já estão implementados.

Vantagens e Benefícios para sua empresa: ISO e Compliance

E quais os benefícios e as vantagens de trabalhar com a certificação ISO e compliance de forma integrada em sua empresa?

Um dos principais é a diminuição da exposição ao risco. Existe uma exposição muito grande quando uma empresa está na mídia relacionada à corrupção ou a algum desastre ambiental, por exemplo. E isso é muito prejudicial em termos financeiros e na questão de reputação da marca e da imagem da empresa.

Tivemos recentemente alguns casos muito emblemáticos aqui no Brasil, como o da Odebrecht – uma grande organização multinacional – que foi exposta a um processo como a Lava Jato, e hoje encontra-se em recuperação judicial, com um pedido de falência. Uma empresa bilionária que, por estar nesse processo, perdeu muita credibilidade no mercado.

SOGI GRC – Governança, Risco e Compliance

É fundamental que os gestores compreendam que o risco é intrínseco a qualquer atividade, independentemente de seu ramo ou tamanho, por isso o gerenciamento de riscos é essencial em toda organização.

Sempre que uma empresa monitora seus riscos, ela cria um cenário mais favorável para si, pois consegue prever boa parte dos problemas e também identificar os melhores momentos para investir ou alavancar seus negócios.

Entenda melhor como funciona o Módulo GRC no gerenciamento dos Requisitos Legais Aplicáveis. Leia o e-book sobre o Módulo do SOGI – Governança, Risco e Compliance!


Como automatizar o Controle de Licenças e Condicionantes?

Grande parte das empresas ainda controlam suas licenças e condicionantes de maneira simplista e ultrapassada, utilizando planilhas. Contudo, esse tipo de ferramenta, embora pareça facilitadora, pode ser muito mais problemática na hora de gerenciar os dados, já que é totalmente dependente do ser humano responsável por operá-la.

Conforme a planilha vai sendo alimentada, aumentam-se as chances de se perder dados em meio a tantas informações. Além disso, uma planilha está sujeita a travamentos, bem como seus dados podem ser perdidos, alterados e modificados, e que podem arruinar todo o histórico já registrado.

Controle todas as suas Licenças e Condicionantes

Praticamente todas as licenças de uma empresa possuem data de validade; e muitas delas necessitam de renovação constante. Caso a gestão não esteja atenta ou algum documento não seja atualizado, as penalidades certamente vão aparecer — e podem incluir até mesmo o embargo das atividades da organização. As chances de esquecimento de renovações e protocolos pode se tornar oficialmente uma não conformidade legal, obrigando assim ao direcionamento de recursos financeiros para algo que poderia ser evitado (multas altíssimas, por exemplo).

Já parou para pensar na inconveniência de tomar conta de tantos requisitos simultaneamente? Como não se perder? Como garantir o andamento de procedimentos que carecem de antecedência para serem implementados?

Vamos pensar num caso prático

Digamos que um dos setores em sua indústria opere em período integral. Por causa disso, a área necessita apresentar sinalizadores noturnos, aqueles vermelhos e fosforescentes, utilizados em obras noturnas. Acontece que não é possível comprar determinada quantidade de sinalizadores de forma repentina. Primeiro porque, a aquisição precisa ser aprovada pela gestão, para só então, ser repassada ao setor de compras. Além disso, existe o prazo para recebimento do material, bem como a inspeção e instalação adequada.

Já calculou todos os trâmites que envolvem esse único processo? E quando a empresa precisa lidar com dezenas (ou até centenas) de processos semelhantes? E aqueles casos, em que se faz necessário trazer um profissional externo, para realizar um determinado trabalho?

É por isso, que usar planilhas como forma de controlar seus dados, não é uma boa opção para agilizar seu gerenciamento. O volume de informações pode crescer a ponto de se tornar impossível de se acompanhar, por melhor que seja sua equipe de planejamento.

Por isso, o ideal é ter um software que permita a personalização de todas as necessidades de sua empresa, de forma que você possa acompanhar com precisão todas as licenças pertinentes.

Você precisa de um software completo, que não apenas avise de forma sistemática e periódica sobre todas as licenças que estão para expirar, mas também, que seja capaz de informar sobre todos os procedimentos necessários para se manter ou não perder determinados prazos ou certificações. E assim, como o exemplo dos sinalizadores noturnos, tudo deve ser feito com a antecedência e planejamento, levando-se em conta todas as burocracias de cada etapa. Mas, para planejar é preciso ter dados e informações atualizadas, caso contrário, seu planejamento pode não dar certo!

SOGI Licenças: controle automatizado

Com o Módulo Licenças do SOGI, da Verde Ghaia, sua empresa poderá controlar o prazo de vencimento de todos os seus documentos de forma qualitativa, e não apenas quantitativa, permitindo o acompanhamento de cada trâmite necessário para cumprir requisitos e não perder nenhum prazo.

Inclusive, ele é um excelente recurso quando a empresa possui diversas unidades espalhadas por todo o território brasileiro, pois permite a visualização das unidades, através de um mapa, contribuindo no gerenciamento de todas elas. Outro benefício do Módulo Licenças é o envio de alertas para os e-mails que você cadastrar, os quais vão ajudar a lembrar a proximidade da data de revalidação das licenças e também os procedimentos que devem ser tomados para que todos os requisitos legais sejam cumpridos.

O mais interessante deste recurso é que enquanto o responsável não atualizar os dados da nova licença, ele continuará a receber mensagens de alerta.

E se o módulo estiver sempre atualizado, é possível verificar de forma bastante visual as licenças e condicionantes que estão sendo atendidas, as que se encontram dentro do prazo ou as que estão prestes a expirar, mantendo todas as informações em um só lugar, a fim de facilitar o monitoramento, além de manter um histórico para melhor rastreabilidade.

Para quem é recomendado o Módulo Licenças?

O Módulo Licenças é essencial para organizações que possuem gestão corporativa e/ou são regidas por diferentes licenças e condicionantes, tanto próprias quanto de fornecedores.

É ideal também para empresas que exercem atividades que envolvem muitos impactos ambientais, os quais muitas vezes são totalmente dependentes de licenciamento.  Com o Módulo Licenças sua empresa poderá realizar o planejamento e monitoramento de tempo e recursos financeiros/humanos, evitando ser penalizada devido ao não cumprimento de conformidades legais, e também contará com ferramentas eficazes para manter toda a documentação de licenciamento devidamente organizada.

Lembrando que, a Verde Ghaia também fornece consultoria jurídica. Você conta com uma equipe especializada para ajudá-lo na sua gestão para que você fique por dentro de todas as mudanças, alterações e/ou modificações nas leis brasileiras.

Saiba o que a sua empresa precisa cumprir! Tenha sempre as interpretações jurídicas voltadas ao seu ramo de atividade, evitando cair em “pegadinhas jurídicas” que possam impedir completamente a renovação de uma licença.

Conheça mais do Módulo Licenças do SOGI e faça o controle de licenças com segurança!

Como Outsourcing LIRA ajuda na Análise de Risco?

O Outsourcing e a Análise de Risco é um trabalho realizado pela área Jurídica da Verde Ghaia em conjunto com a área de Compliance Ambiental e Riscos.

As duas áreas tem como responsabilidade ajudar as organizações a organizarem seus processos de modo que seja possível identificar seus riscos e oportunidades, bem como avaliar seus procedimentos internos e externos para tomadas de decisão assertiva, permitindo crescimento saudável da sua organização.

O trabalho se inicia com a definição de um cronograma com duração de 12 meses pré-estabelecido entre o cliente e a Verde Ghaia. Nas primeiras etapas definiremos em conjunto:

(i) temas de análise de normas mensais;

(ii) datas de envio pelo cliente de documentos que possibilitem a identificação de evidências, que suprem ou não as respostas para as obrigações aplicáveis à sua empresa, de responsáveis pelos planos de ação com contato (telefone/e-mail);

(iii) data de uma reunião mensal via Teams ou Skype com toda a equipe para apresentação dos resultados mensais dessa auditoria à distância e também para sanar quaisquer dúvidas que venham a surgir durante o processo.

Requisitos Legais – Procedimentos Jurídicos

Na outra etapa a área Jurídica se faz mais presente, ajudando a:

(i) revisar a aplicabilidade dos REQUISITOS LEGAIS e OBRIGAÇÕES, removendo aqueles que não são pertinentes;

(ii) realizará a análise de documentos enviados pelo cliente;

(iii) preenchendo de informações no LIRA deste com as evidências correspondentes;

(iv) criando Planos de Ação corretivos com os responsáveis e prazos para as obrigações legais identificadas como não conformes.

Ao findar o preenchimento, serão enviadas as não conformidades para o Compliance Ambiental e Riscos que fará uma análise individual de cada obrigação não conforme, identificando as penalidades aplicáveis no ordenamento jurídico àquele quesito.

Depois desse levantamento de dados, a área de Compliance Ambiental e Riscos, elabora uma matriz de risco fundada em análise de probabilidade e severidade, chegando então em um peso de priorização que poderá ser utilizado pela alta direção na tomada de decisão para tratamento das não conformidade.

Outsourcing LIRA e Análise de Risco não é Auditoria

Diferentemente de uma auditoria, as informações de conformidade e não conformidade das obrigações legais, enviadas a Verde Ghaia, serão presumidas como verdadeiras e inseridas na LIRA de acordo com o formato recebido. Não está inclusa a avaliação das obrigações inerentes às NBR’s e outros requisitos subscritos.

A Verde Ghaia disponibiliza também uma plataforma online – Consultoria Online para que o cliente possa acessar em qualquer local que estiver para tirar as dúvidas que ocorrerem durante o processo.

Outsourcing Lira e Análise de Risco

O Outsourcing Lira e a Análise de Risco supre com eficiência a auditoria in loco que não poderá ser realizada, tendo em vista a pandemia.

Todo o trabalho desenvolvido para o cliente é feito de forma personalizada pela equipe Verde Ghaia, através de profissionais capacitados e com experiência para orientar o cliente quanto as melhorias cabíveis para o negócio.

Tenha a certeza de que juntos, nós chegaremos a um resultado fantástico! Você perceberá, que é possível identificar as suas não conformidades e priorizá-las para tratamento adequado e de forma consciente diante dos riscos identificados.

Caso o cliente ainda precise de auditoria in loco, podemos reorganizar o cronograma conforme a sua necessidade. Para isso, a Equipe Verde Ghaia (Risco e Jurídica) irá avaliar os documentos num primeiro momento, para que em seguida possa marcar uma auditoria externa.

As auditorias externas estão sendo agendadas para o segundo semestre de 2020, devido ao enfrentamento do Coronavírus. Contudo, orientamos aos clientes que agendem previamente suas auditorias, evitando problemas futuros, visto que nossas agendas estão ficando sobrecarregadas.

Ana França Rios | Departamento de Compliance Ambiental e Riscos

MÓDULO OUTSOURCING
Outsourcing LIRA – Um jeito fácil de manter seus Requisitos Legais sempre atualizados.

Blog SOGI